O que é imunidade de rebanho

Por Ciência do Coronavírus - 26.04.2020

Antes da pandemia, a expressão “imunidade de rebanho” chamava a atenção para o efeito de proteção que surge em uma população quando uma percentagem alta de pessoas se vacinou contra uma certa doença. Por obra da “imunidade de rebanho”, mesmo quem não está vacinado fica protegido do patógeno causador da doença. Exemplo clássico de vacina que produz imunidade de rebanho quando 95% de uma população a recebeu: a vacina contra o sarampo. Com 95% das pessoas imunizadas, o vírus não circula mais, a doença desaparece e quem não pode tomar a vacina fica protegido.


No mundo de hoje, Depois do Coronavírus, a expressão se refere a uma interrogação: que percentagem de uma população precisa ter contraído o SARS-COV-2 (e estar presumivelmente imunizado) para que mesmo quem não teve a doença deixe de correr risco de se infectar? Não há dados para responder a essa pergunta, mas há pesquisadores que estimam o número entre 60 e 80%. Quer dizer: quando essa quantidade de pessoas já tiver contraído a doença e adquirido imunidade, o virus não circula mais e a doença desaparece. 

No debate sobre quando e como retomar as atividades, a imunidade de rebanho tem sido um argumento para informar políticas públicas. O governo do primeiro ministro britânico, Boris Johnson, quis tirar vantagem do fenômeno como primeira forma de enfrentamento da COVID-19, mas logo recuou. 

Nosso jogo foi pensado antes da epidemia. Por isso, você ganha o jogo se conseguir vacinar 95% das pessoas da nossa cidade hipotética. A diferença para o mundo de hoje é que não há vacina contra a COVID-19. Assim, imunidade de rebanho virá com muitos infectados e um número lamentável de mortes.

Clique aqui para jogar

Leia mais:

“Temos que torcer pela ciência, não por um medicamento específico”, afirma pesquisador do Butantan

Põe a máscara ou tira a máscara? Põe a máscara!

June Almeida: a doutora que não terminou o ensino médio e identificou o primeiro coronavírus