Cientistas temem segunda onda de contágio de coronavírus na China

31.03.2020

Enquanto boa parte do mundo se esforça para conter o avanço do novo coronavírus, a vida na China começa a voltar ao normal. Na província de Hubei, de onde o vírus surgiu, as pessoas estão lentamente deixando suas casas e retornando ao trabalho. Em 8 de abril, as restrições de viagem na cidade de Wuhan serão removidas.

Cientistas chineses e do resto do mundo observam atentamente o alívio das medidas, temendo uma segunda onda de contágio por coronavírus. A revista científica britânica Nature entrevistou pesquisadores que estão acompanhando a situação na China

Para o pesquisador de doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong, Gabriel Leung, o risco de novos surtos é alto, "dada a facilidade com que o vírus passa entre as pessoas e a possibilidade de algumas infecções ainda não serem detectadas". Segundo Ben Cowling, epidemiologista da Universidade de Hong Kong, se houver uma segunda onda de transmissão, ela deve ocorrer até o final de abril.

Por outro lado, a Nature informa que as províncias chinesas usarão, a partir de agora, extensos testes e rastreamento de contatos para identificar novas infecções. Até o momento, as fronteiras do país estão fechadas, impedindo casos importados. Além disso, algumas práticas de distanciamento social serão mantidas.

Os rigorosos bloqueios adotados ajudaram a reduzir os novos casos a quase zero nas províncias com os números mais altos - Hubei, Pequim, Guangdong, Henan, Hunan e Zhejiang, conforme estudo da equipe do Imperial College, do Reino Unido. Liderada pelos pesquisadores de doenças infecciosas Neil Ferguson e Steven Riley, a equipe concluiu que, depois de conter o vírus com as ações de contenção, "a China conseguiu sair com sucesso, até certo ponto, de sua política rigorosa de distanciamento social".

Diante das incertezas, os cientistas concordam que os bloqueios devem ser retirados com cautela; ao mesmo tempo, o cenário deve continuar vigiado e monitorado de perto. O resto do mundo depende disso.