Os últimos números do coronavírus no Brasil e no mundo (14/05)

O Brasil tem, até a noite desta quinta-feira (14), 13.993 óbitos e 202.918 casos de coronavírus, de acordo com os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde. De ontem para hoje, 884 novas mortes foram notificadas. 

A pasta lembra, porém, que as mortes não ocorreram necessariamente no mesmo dia, já que há atraso na notificação dos estados. Outras 2 mil mortes estão em investigação. 

Até agora,  79.479 brasileiros se recuperaram da COVID-19.

Informações do Ministério da Saúde divulgadas mais cedo mostram que 199.768 profissionais da saúde brasileiros têm (ou tiveram) suspeita de coronavírus. Do volume total, 15,9% foram confirmados com COVID-19 e 26,9% foram descartados. Mais da metade desses profissionais (57,2%) têm o caso aberto, ainda em investigação. Os números incluem todos os estados, exceto Paraná e Espírito Santo - que têm plataformas próprias que estão sendo integradas ao sistema nacional.

A maior concentração de profissionais da saúde notificados e contaminados está em São Paulo.

 

Testagem

O Ministério da Saúde diz ter iniciado hoje o inquérito epidemiológico para avaliar a dimensão da epidemia de coronavírus no Brasil. Segundo a pasta, essa primeira fase de testagem é composta por 333.250 pessoas de 133 cidades em todos os estados.

 

Epicentro

O estado de São Paulo, o mais atingido pela doença, registra 54.286 casos confirmados e 4.315 óbitos em decorrência da COVID-19. De ontem para hoje, 197 novas mortes foram confirmadas.

Cerca de 10 mil pessoas estão internadas com suspeita ou confirmação de coronavírus no estado. A taxa de ocupação dos leitos de UTI em todo o estado está em 69%. Já na Grande São Paulo, caiu para 85,5%.

A Secretaria Estadual da Saúde informou hoje que um novo hospital de campanha será inaugurado na capital, ao lado do Hospital Heliópolis. O equipamento contará com 148 leitos de enfermaria, 28 de estabilização e 24 de UTI.

O diretor do Butantan e coordenador do Comitê de Contingenciamento do Coronavírus, Dimas Tadeu Covas, voltou a reforçar a importância do isolamento social hoje, em coletiva de imprensa. Segundo Covas, o índice de isolamento segue abaixo dos 50% na capital e no interior, contrariando as recomendações das autoridades de saúde. "É preciso agir para implementar maior adesão ao isolamento", afirmou, quando questionado sobre a possibilidade de lockdown em SP.

 

Outros estados atingidos

O Rio de Janeiro tem com 19.467 casos e 2.247 óbitos. O Ceará ultrapassou o RJ em número de casos e agora tem 21.077 ocorrências, além de 1.413 óbitos. Já Pernambuco soma 15.588 ocorrências e 1.298 mortes.  

O Ministério da Saúde alertou ainda que Paraíba, Maranhão, Pará e Amazonas estão em maior alerta no país pela velocidade alta de transmissão de COVID-19. De acordo com Eduardo Macário, da secretaria de Vigilância em Saúde, o Brasil tem crescimento de 7,3% por dia em número de casos. Esses estados, porém, apresentam velocidade de transmissão da doença maior que a média nacional.

 

COVID-19 pelo mundo

O mundo ultrapassou hoje as 300 mil mortes por COVID-19, totalizando 301.370 vítimas fatais. São 4.426.937 infectados ao redor do planeta. Ao menos 1.583.419 pacientes estão recuperados.

Os Estados Unidos seguem em primeiro lugar no número de casos, com 1.413.012 casos e 85.581 vítimas fatais. Até agora, mais de 10,3 milhões de testes foram realizados no país.  

O Reino Unido soma 33.693 mortes e 234.432 casos confirmados.

A Itália continua ocupando o terceiro lugar em quantidade de mortes, com 31.368 óbitos; o país registra 223.096 ocorrências.

A França chegou a marca de 27.428 vítimas fatais. O número de infectados no país está em 178.994.

Já a Espanha tem 27.321 mortes e 229.540 casos. Na China, onde o vírus surgiu, os números estagnaram: 84.025 casos e 4.637 mortes.

A Rússia, segundo país com maior número de ocorrências no mundo (252.245 casos), registra curiosamente 2.305 mortes.

O Brasil ocupa o 6º lugar no tanto no ranking mundial de óbitos mundial quanto em quantidade de casos.